Precisamos falar sobre o feminismo


A frase "somos as netas das bruxas que não pudestes queimar" nunca fez tão sentido na minha vida como quando me dei conta de que era exatamente esse estigma de "bruxas" que as feministas tinham conquistado na internet. É triste que um movimento tão importante e tão empoderador esteja sendo estigmatizado, e que assim, as próprias mulheres que iriam se beneficiar dele, estejam se mantendo afastadas. Mas é compreensível que isso aconteça - afinal de contas, é mais fácil estigmatizar o feminismo, e assim, afastar as mulheres que ainda não tem contato com o movimento, do que ouvir as pautas femininas. E fazer algo em relação à elas. 

Eu sinto uma dificuldade imensa de escrever sobre feminismo pensando no leitor de um modo mais abrangente. Digo, eu não sei quem é você que está me lendo. Eu não sei se você é feminista, se você tem contato com o movimento, e pra mim, sempre foi muito difícil falar sobre o assunto com quem não se mostra adepto à filosofias feministas. Isso porque não houve um momento na minha vida em que acendeu uma lâmpada sobre minha cabeça e eu pensei "vou virar feminista!". Eu nunca entendi porque a desigualdade de gênero era tão óbvia e palpável. Eu nunca entendi porque, quando criança, a única coisa que os adultos tinham para falar sobre mim era "o quanto eu era bonita" - e como o mesmo não acontecia com os meninos à minha volta. Na adolescência, eu não entendia porque as pessoas achavam que os meus kilos a mais lhes dava o direito de se meter na minha vida. De dizer o que eu devia vestir para "aparentar ser mais magra" ou o que eu devia comer para emagrecer. Eu não entendia porque estar um pouco acima do peso era muito pior, na visão dos outros, do que parar de comer de uma hora para outra para finalmente tentar conquistar o corpo que queriam que eu tivesse. 

Eu nunca entendi, quando, aos onze anos os homens buzinavam para mim na rua e me chamavam de gostosa. Eu nunca entendi porque, aos doze, um ônibus lotado de homens bateu palmas para mim enquanto eu caminhava na rua. Eu nunca soube dizer aos meus pais o motivo de ter parado de fazer caminhadas sozinha. 

Eu nunca entendi porque tanta energia é dispendida em prol de alertar as mulheres sobre o perigo que elas correm com os homens. Porque essa mesma energia não é usada para ensinar os homens que o corpo da mulher não é um objeto à disposição deles? Que eles não tem direito sobre ninguém que não seja eles mesmos?

E eu aprendi que coisas assim acontecem todos os dias. Com todas as mulheres. E que nós aprendemos a abaixar a cabeça e simplesmente deixar passar, porque se respondermos pode ser pior - e nós temos medo. 

E sentir medo em relação à todos os homens do mundo não é algo que possa ser minimamente aceitável. 


O Dia da Mulher não é um dia de alegria ou de comemoração, ele só nos diz que somos mais uma das minorias sociais oprimidas. Nós ganhamos um dia no calendário para que os homens nos parabenizem, nos deem flores e nos respeitem - nos outros 364, bom, ninguém se importa com o que eles fazem nos outros 364. 

Existem muitas coisas que realmente me entristecem. Gente que ignora a realidade social é uma delas. Nessa semana mesmo, foi aprovada a lei que torna crime o feminicídio. E de novo, uma enxurrada de homens chorando porque "a vida deles vale menos que a das mulheres". As vezes eu me pergunto se esse tipo de coisa é ignorância ou falta de caráter mesmo. Porque é óbvio que existem pautas exclusivas das mulheres. Existem opressões que só nós vivenciamos, e que um homem nunca poderá entender porque simplesmente nunca viverá em nossas peles. Além disso, o feminicídio é o assassinato da mulher só por ela ser mulher. Isso é crime de ódio, isso é machismo e misoginia pura. Ninguém mata homens só por serem homens. Não existe um sistema estrutural que veja o homem como um ser inferior a mulher - e é triste ter que dizer o óbvio. 

Eu preciso do feminismo porque nele eu encontrei uma estrutura sólida para todos os pensamentos que eu já tinha. Nele eu encontrei mulheres maravilhosas, mulheres que lutam, mulheres que não se calam. Porque são essas mulheres que movem (e mudam) o mundo. 

O feminismo me ensinou que não importa o quanto tentem nos ensinar o contrário - a culpa nunca é da vítima. Saias curtas não estupram - estupradores estupram. O feminismo me ensinou que mulher nenhuma precisa "se dar ao respeito", porque nós merecemos ser respeitadas como seres humanos, independente de qualquer coisa. 

Existem diversas vertentes feministas com ideias diferentes. Não é porque uma tem ideias que você não compactua que todas as vertentes estão erradas. E feministas não são deusas - se uma falou ou fez algo errado, essa não precisa ser a opinião de todas. Vamos parar de estigmatizar todo um movimento com base em pequenos deslizes, certo? 

É triste que muitas mulheres tenham medo de se dizerem feministas. É triste que muitas mulheres prefiram apoiar ideias machistas perpetuadas pelos homens. Mas não é meu dever julgar ninguém. Todas nós, vez ou outra, já dissemos ou fizemos algo machista. Mas cabe a nós abrir portas para que essas mulheres possam entrar e perceber que apoiar todo esse sistema opressivo não as traz nenhum benefício real. Estar do lado dos homens quando estes criticam o feminismo só faz você ser a "amiga legal" por alguns minutos. Mas os ataques que eles fazem as outras também são direcionados a você. E então sim, eu prefiro ser a chata. 

Para as mulheres, eu só tenho a dizer: não tenham medo de dizer que são feministas. Não tenham medo de apontar onde o sistema é falho e as oprime. Juntas nós somos mais fortes, juntas nós poderemos ver nascer o dia em que a sociedade seja de fato igualitária. 

Sinto que muitas blogueiras também tem medo de tocar nessas pautas. Sim, é óbvio que você não vai agradar todo mundo quando fala de assuntos "polêmicos". Mas eu nunca quis um blog que me limitasse e não posso fazer nada que não seja fiel a quem eu sou de verdade. 

Nesse dia 8 de Março por favor, não me estenda flores. Porque flores não garantem um salário igualitário, uma representatividade real nem a minha segurança de andar nas ruas como dona do meu próprio corpo. Me estenda justiça, e principalmente, me estenda respeito.

Esse tema faz parte da Blogagem Coletiva do RotaRoots, um grupo que visa trazer de volta a essência da blogosfera old school. 

17 comentários:

  1. Concordo com a maioria das coisas que tu escreveu, eu acho o dia da mulher válido pelo que aconteceu, de fato, em 08/03/1857, mas em contexto comemorativo de "ser mulher", não concordo. Como tu disse, e os outros 364 dias? Ninguém se importa? O dia da mulher, do homem, do cachorro são todos os dias em que respiramos e lutamos pelo nosso lugar ao Sol. Hoje, para mim, é o dia de quem luta para fazer a diferença. Acho que hoje deveria ser "Dia Internacional pelos Direitos Iguais" algo do gênero, a intensão sempre foi essa.
    Beijos, Amanda | Tô de Short
    http://todeshort.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amanda, é verdade, a história do dia 8 e o contexto histórico é muito interessante, mas o Dia da Mulher acabou se tornando só mais uma data fútil engolida pelo comércio, transformada em publicidade.
      beijos

      Excluir
  2. Caraca Bruna, tô sem palavras... Seria tão bom se todos enxergassem as coisas dessa forma né? Se as mulheres não fossem vistas como o sexo frágil "Aquelas que precisam de um homem para protege-las" Velho é muito mimimi, as pessoas estão cada vez mais com a mente fechada e com um preconceito nas alturas. "Nesse dia 8 de Março por favor, não me estenda flores. Porque flores não garantem um salário igualitário, uma representatividade real nem a minha segurança de andar nas ruas como dona do meu próprio corpo. Me estenda justiça, e principalmente, me estenda respeito." Melhor frase ♥ O texto ficou ótimo e essa iniciativa com certeza terá algum resultado bom. beijos (e isso não é feminismo, é realismo e a luta pelos direitos que são nossos)

    www.pumpcolor.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lavínia! Pois é, é triste que estejamos em 2015 mas que a consciência da maioria ainda seja tão retrógrada, né? Definitivamente não combina com essa era de informação que nós vivemos. Muito obrigada!
      beijos

      Excluir
  3. Muito bom o teu texto reflexão sobre o assunto. Sei bem como é encarar isso tudo, na faculdade o movimento feminista esta crescendo muito e isso é algo positivo, mas muita gente discrimina inclusive as mulheres.
    A luta é longa , mas graças a Deus cada vez mais o assunto sobre direito das mulheres estão sendo discutidos e cada vez mais há mulheres querendo mudar toda essa realidade perigosa e machista para nós.

    www.viniseoutrascoisas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Igara, muito obrigada! Pois é, eu vejo isso acontecer ao meu redor também.
      beijo

      Excluir
  4. Eu fico muito feliz quando vejo blogueiras falando sobre feminismo, mesmo que não pareça muita coisa mas abre os olhos de algumas meninas, sim! Porque comigo foi assim, eu conheci o feminismo através de um blog e sou eternamente grata por isso. Foi um grito de liberdade! Bruna, continue escrevendo sobre isso aqui, você escreve muito bem e pode juntar as duas coisas para, quem sabe, fazer acontecer com alguma menina o que aconteceu comigo. WE CAN DO IT! ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Islanya! Eu penso da mesma forma, e também gosto muito. A gente sabe que muitas meninas novinhas leem blogs e podem se deparar pela primeira vez com essas questões, isso é interessante pra elas, que a gente passe informação. Muito obrigada! <3
      beijos

      Excluir
  5. Você disse tudo que eu penso!
    Eu também não virei feminista do dia pra noite só porque acordei com vontade. A verdade é que eu nunca entendi as diferenças. E nunca achei certo, justo ou legal os assédios, cantadas e coisas do tipo enquanto eu estou caminhando na rua. Nunca entendi porque cuidavam tanto do meu corpo e das minhas roupas, enquanto os meninos podiam fazer e vestir o que bem entendessem.
    Mas é "normal" que em uma sociedade extremamente patriarcal, o feminismo seja estigmatizado. Os homens não querem perder o "direito" que tem sobre o corpo da mulher. Por isso eles ridicularizam o movimento e incentivam as amiguinhas a fazerem o mesmo, caso contrário elas serão as chatas, as que merecem ser excluídas e coisa do tipo. Isso é extremamente ridículo. Primeiro porque eles não tem direito nenhum sobre o corpo da mulher, segundo porque eles não são melhores do que nós em ponto nenhum para se sentirem no direito de desvalorizar nossa busca por igualdade.
    Outra coisa que ajuda a desvalorizar muito o movimento, acredito eu, é a religião. Um país onde a religião predominante é uma que desvaloriza a mulher em tudo, torna-se "aceitável" essa ridicularização. E não, eu não acho isso aceitável, mas só estou olhando pela lente de pessoas que são extremamente cegadas pela crença. Mas aí não podemos falar né.. religião é liberdade de expressão de cada um... nesse assunto não se toca... Mais um erro, já que em um país laico, a religião ainda é algo que influencie enormemente as decisões de muita gente...
    Esse assunto é muito complexo. Sei que se for falar tudo que eu penso, acabarei fazendo outro texto dentro do seu post...
    Enfim, eu tava pensando nessa data ontem e em como ela tem sido deturpada ao longo dos anos. Um dia que era para lembrarmos de uma vitória dentre as que ainda tanto precisamos e que tem se tornado apenas mais uma data comercial e machista... muito triste isso...
    Excelente seu texto. Gostei muito mesmo!
    E super concordo que precisamos falar, conversar e explicar mais sobre esse tema, porque gente que ridiculariza e desvaloriza o feminismo apenas por interesse próprio tem aos montes.
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mone! Tudo que tu disse é verdade. É óbvio que quando um gênero é subjugado, o outro ganha privilégios - e eles não querem abrir mão desses privilégios. E sim, a religião influencia muito a sociedade, naturaliza o preconceito. E o estado é laico só no papel. E realmente, o Dia das Mulheres se tornou só mais um dia pro comércio lucrar, é triste que tenha loja fazendo até "promoção de utensílios domésticos" em "homenagem" ao dia da mulher ¬¬ É sério que acham normal isso?
      beijão Mone, muito obrigada pela contribuição <3

      Excluir
  6. gostei mt do post, acho que deviamos ter orgulho de ser feministas e lutar msm por nossos direitos do que ficar com "vergonha" disso, precisamos continuar lutando

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Livia, que bom que tu gostou! Isso é a mais pura verdade. Muito obrigada pela visita :3
      beijos

      Excluir
  7. Ótimo post Bruna. Ainda falta conhecimento a respeito do movimento, principalmente pelas ideias distorcidas que surgem na internet. Você esclareceu de uma maneira muito simples a pressão sobre padrões estéticos e respeito independente de gênero, e ainda uma educação igual à meninos e meninas em relação a direitos e deveres. Me identifiquei. Bju

    http://escapeodi.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jehssy! É verdade, muito acaba sendo deturpado. Obrigada!
      beijos

      Excluir
  8. Respeito ta aí uma coisa que eu adoraria receber
    trabalhar fora está ficando difícil pra mim, cada emprego novo é um assedio novo
    suas palavras mexerão comigo, já passei por situações extremas de desejar ter nascido homem, sim nós precisamos sim de leis exclusivas pra nós mulheres, como vc citou, tem coisas que só nós do sexo feminino passamos, seria bom se todos entendessem isso.


    www.morenaemoderna.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Suellen! É muito triste que nós tenhamos que vivenciar isso. :( A realidade está aí pra todo mundo enxergar, só não vê quem não quer :(
      muito obrigada pela tua visita <3

      Excluir
  9. Por que eu demorei tanto pra vir comentar nesse post? Nem eu sei!
    O machismo é algo tão presente, tão enraizado em nossa cultura que muitas vezes fico me perguntando por quê muitos não conseguem enxergá-lo! Sou feminista, já fui chamada de feminazi, louca, histérica e paranóica por não confiar em homens. Continuo não confiando. Mulheres morrem todos os dias nas mãos de homens, mas sempre tem aqueles que dizem "nem feminismo nem machismo, sou a favor de todos os seres humanoZzzZ" (como isso me dá preguiça!), essa seria a sociedade ideial. Mas infelizmente não estamos vivendo essa realidade ainda.
    Quanto mais informação melhor, quanto mais mulheres nessa luta, melhor. <3
    Enquanto for necessário, me declararei feminista e com muito orgulho de hoje poder militar também fora da internet, criando grupos de estudos e ajudando mulheres próximas a mim <3

    Um grande beijo <3
    Tribo Alternativa

    ResponderExcluir

♥ Não comente se não tiver lido a postagem, spams são desrespeitosos e serão imediatamente excluídos ♥
♥ Você tem um blog? Deixe seu link ao final do comentário, vou adorar conhecê-lo ♥
♥ Sua opinião é muito importante e eu sempre quero lê-la, aqui você pode discordar sempre que quiser - mas mantenha o respeito ♥
♥ Os comentários sempre são respondidos, mesmo que demore alguns dias. O blogger não avisa quando alguém responde seu comentário, para receber a resposta é necessário marcar a caixa "notifique-me" quando for escrevê-lo ♥

Fanpage | Instagram | LookBook.nu

Tem alguma dúvida ou sugestão?
Você pode entrar em contato comigo pelo e-mail chanelfakeblog@outlook.com