OOTD: All Black


Como eu uso muito preto, já deve existir uns vinte posts nomeados como "all black" aqui no bloguinho, mas a gente releva porque criatividade nunca foi um dos meus pontos mais fortes, hahah. Depois do último fim de semana agradável, parece que oficialmente foi aberta a temporada de calor dos infernos por aqui: estou derretendo enquanto digito esse post, inclusive. Não dá pra pensar em usar nada além de regata com short ou saia. Como usei essa roupa para sair no início da noite e estava achando sem graça demais só o short e a regata, arrisquei o kimoninho de manga curta por cima, mas pra ser bem sincera, ficou mais na bolsa que no corpo mesmo. 

A regata do Joy Division comprei na Ideal Shop também, junto com a do filme Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças que mostrei no outfit da semana passada, e um livro sobre o Ian Curtis, escrito por sua viúva, Deborah Curtis (mostrei lá no instagram e depois que terminar faço a resenha dele por aqui). Por causa do livro, surgiu uma vontade imensa de ouvir bastante Joy Division essa semana - já que estava ouvindo mais bandas de new metal e metal industrial, com músicas mais "agitadas" que as do Joy ultimamente - e consequentemente surgiu a vontade de usar a regata com a estampa icônica do Unknown Pleasures. Eu tinha uma camiseta branca da banda também, usada nesse post aqui, mas acabei dando ela para o meu pai que também gosta muito da banda, já que ele estava usando ela mais do que eu :p hahahaha E bá, no verão eu realmente não consigo usar camisetas de manga, mesmo que curta, parece que estamos fervendo dentro delas rs. 










Regata: Ideal Shop | Kimono: She In 

Ah, apesar de parecer que estou sem meia, na verdade estava usando uma bem curtinha - nunca usem creeper sem meia, já tentei e não indico pra ninguém essa experiência, machuca demais os pés. 

Esse anel de caveira com cobras lindão é da loja Cookie Plushie, e a coleirinha de coração é do aliexpress. O batom é a misturinha do azul da Natura (resenha aqui) e do azul da Hator (resenha aqui). 

Bom, espero que vocês tenham gostado do post, não esqueçam de comentar <3 A Pesquisa de Público ainda está rolando, então se você ainda não respondeu, pode responder clicando aqui. ^^

Receita: Torta Salgada com Aveia | Vegetariana


Oi gente! Esse é um tipo de postagem que quero tornar mais frequente aqui no blog, na medida do possível. Faz cerca de três meses que me tornei ovolactovegetariana: não como carne, mas ainda me utilizo de alguns derivados do leite e ovos na alimentação, embora tente sempre optar por refeições sem nada de origem animal. Essa torta é um exemplo saudável, fácil e delicioso disso: sem ovos, carne ou leite de vaca. Nas receitas que publicar daqui pra frente marcarei sempre como ovolactovegetarianas (quando houver produtos derivados de leite ou ovos) e vegetarianas estritas (quando não houver nada de origem animal). 

A receita original dessa torta é do blog Veganana, que aliás, tem receitas excelentes, estou sempre de olho lá. Recomendo muito para quem é vegetariano/vegano. 

Fiz algumas adaptações na receita, vou publicar o que eu usei. 

Para a massa: 

- 1 xícara de farinha de trigo
- 1 xícara de leite de soja (pode ser substituído por água mineral)
- 1/2 xícara de óleo ou azeite
- 4 colheres (de sopa) de aveia em flocos
- 2 colheres (de chá) de sal 
- 2 colheres (de chá) de fermento (para bolos)
- Orégano à gosto (opcional)

Bater todos os ingredientes no liquidificador, exceto o orégano. Misturá-lo após desligar o liquidificador, com uma colher. E a massa está pronta :)

Para o recheio: isso é opcional, recomendo que usem os legumes/verduras/temperos que mais gostarem. Eu usei milho, ervilha, tomate, cebola, alho, pimentão amarelo, brócolis, cenoura e champignon. 


Primeiro, fritei no óleo o milho, o tomate, a cebola, o alho e o pimentão amarelo cortadinhos (imagem 1). Depois de douradinhos, reservei. Cozinhei na mesma panela a cenoura, o brócolis e as ervilhas, até ficarem macios (imagem 2). Escorri a água, misturei aos fritinhos e adicionei o champginon, como comprei em conserva, só precisava dar uma aquecidinha nele (imagem 3). Cortem e misturem bem, pra não ficar nada muito inteiro no recheio e tudo bem variado. Fica tudo colorido e delicioso! Temperei com sal e orégano. 


Pra montar a torta, untei essa tigela(?) com azeite e despejei metade da massa feita no liquidificador. Adicionei o recheio e por cima dele um pouco de temperinho verde (salsinha). Depois despejei o restante da massa e por cima mais um pouco de orégano e temperinho verde. 

Levei ao forno pré-aquecido em 200ºC por cerca de 30-35min. A massa cresce e fica douradinha e bem macia e molinha por dentro, uma delícia. 

Já fiz em outras fôrmas, na retangular fica bem bonito. 


Essa receita dá pra quatro ou cinco pessoas. Aqui em casa somos três, comemos bastante e sobra bastante ainda para o outro dia. Como só com arroz, salada e batata palha. Recomendo muito a receita, hahaha. Até quem não é vegetariano adora <3 

Gostaram da receita? Bem fácil, né? Me contem se fizerem :D 

OOTD: Cardigã com Poás


Oi gente! Já faz um tempinho que não posto outfit aqui, né? Ultimamente as temperaturas tem sido bem elevadas aqui no RS, o que acaba totalmente com minha vontade de sair de casa, e quando o faço, é vestindo qualquer coisa fresca e descomplicada :p Esse calor torna difícil até o ato de fotografar ao ar livre, mesmo que por curtos períodos de tempo - tem dias em que parece que literalmente iremos derreter. No fim de semana felizmente choveu e depois da chuva o clima é sempre mais agradável - deu até pra vestir um cardigã levinho no final da tarde. Vocês não imaginam o quanto eu sinto falta do inverno kk 

Esses tempos aproveitei uma promoção na Ideal Shop e aproveitei para comprar essa regata do filme Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças que eu já namorava há tempos. A estampa é muito bonita e gostei muito da blusa - pedi em modelagem masculina para ficar mais comprida e cavada nas laterais. Aliás, tá aí uma coisa que detesto: regatas femininas. Geralmente tem alças muito finas e ficam justas demais no corpo, a ponto de ser desconfortável :( Agora eu não tiro mais essa do Brilho Eterno do corpo, sou apaixonada pelo filme <3 Como ela tem essa mistura de rosa e azul na estampa fique em dúvida sobre combinar com a saia bordô mas no fim das contas casou bem e eu curti bastante a combinação. 









Regata: Ideal Shop | Saia: Oasáp | Cardigã: Marisa | Coturno: Vilela Boots

O anel de unicórnio roxinho é do Aliexpress e o colar de esqueleto da Sammydress. O batom bordô mais lindo é o lápis vinho da Panvel - sério, acho a cor dele perfeita e ele custa cerca de R$6, vale muito a pena (tem resenha aqui!). O esmalte é o Fátima da Colorama. 

E vocês, o que tem feito para impedir que o calor tire a vontade de viver? HAHAHAH Só de pensar em se maquiar nas temperaturas altas dá preguiça rs. 

Bom, espero que vocês tenham gostado do post de hoje, não deixem de comentar <3

Wishlist de Verão na She In


Quando o verão chega e a gente começa a revirar as roupas no armário é que bate aquele desejo de comprar algumas peças novas, seja para repôr antigas ou para preencher necessidades que apareceram com o tempo - e quando a gente engorda ou emagrece de um ano para o outro é pior ainda, porque muitas peças já não servem mais e as opções para vestir acabam sendo poucas. Nas mudanças de estações eu sempre gosto de arrumar minhas roupas, mudar a ordem dentro do guarda-roupa deixando na altura das mãos as peças da estação e mais escondidinhas as que não serão usadas tão cedo. Também é ótimo separar as peças que não foram usadas nos último ano e doar - se não usamos durante todo esse tempo,  pra quê guardar se pode servir para alguém que precise mais? 

Em relação as peças que estou sentindo falta no meu armário, as saias foram as que mais senti. Algumas minhas já não me servem mais e eu realmente amo saias e vestidos, no verão não há nada mais confortável. Gosto delas porque não é necessário perder tempo pensando no que vestir - sempre fica bonitinho e arrumadinho. Pensando nos meus desejos para o verão, selecionei estas cinco peças na She In. Como o preto é minha cor preferida em questão de roupas, óbvio que ele predominaria, né? Estou numa vibe muito de peças pretas e lisas ultimamente - mas um pouquinho de estampa também não faz mal pra ninguém rs. 

3. Kimono $18.88 
4. Saia Xadrez $16.14
5. Vestido Preto $19,91

Para detalhes das peças é só clicar na descrição delas acima. Essa primeira saia preta quando vi no site me apaixonei, não sou muito chegada em peças assimétricas mas achei essa incrível, o detalhe de amarração na cintura também é muito bonito. Estampa de listras é uma que gosto bastante, embora não tenha quase nada assim. Kimono pode até ser uma peça que "saiu de moda" mas não há nada mais prático para usar no verão por cima de regatinhas - e esses pretos de renda são lindíssimos. Adoro saias xadrez também, e achei tão fofinho esse modelo com botões na frente :p O vestido preto é básico mas muito útil pelo corte, adoro esse estilo com cintura marcada e saia aberta e o colo com recorte de coração é bem retrô.

E vocês, o que acharam das peças que selecionei? Tem alguma peça em especial que vocês estejam desejando para o verão? Me contem aí nos comentários ^^

Série: The Last Ship


The Last Ship é uma série dos Estados Unidos de ficção científica e drama. A trama se passa num presente onde 80% da população é dizimada por um vírus mortal, enquanto um navio em missão há seis meses consegue escapar do surto por conta de sua localização: e agora deve buscar a todo o custo a cura para a doença. 

Premissas de fim do mundo, vírus mortal e etc sempre me chamam a atenção, não vou negar. Inclusive encontrei essa série numa lista sobre o gênero - e gostei muito desde o episódio inicial. 


The Last Ship é do canal TNT e já conta com duas temporadas finalizadas, uma com 10 e a outra com 13 episódios, e uma terceira prevista para 2016. Cada episódio tem em média 40-44 minutos. 

A série inicia com um ritmo mais lento, com pouca ação e isso muda bruscamente do meio para o final - é realmente de tirar o fôlego. A história é muito interessante, bastante convincente e não há pontas soltas no roteiro. A única coisa que incomoda um pouco é o extremo patriotismo estadunidense, que está presente em absolutamente todos os episódios hahahah


Quase todos os personagens são da Marinha, e mesmo num mundo a beira do fim, eles mantém o decoro - e isso foi a única coisa que achei meio besta, mas não é nada que prejudique a série. Só não consegui me apegar muito aos personagens assim, e terminei as duas temporadas sem ter um "preferido". 

Grande parte da trama se desenvolve em alto mar, as cenas em terra firme são bastante chocantes pelo nível de destruição da Terra e decadência moral do ser humano (a ponto de escravizarem pessoas em troca de abrigo livre de infecção, por exemplo). 


A trama da primeira temporada gira em torno da busca pela cura da doença, assim como a guerra pela posse dela entre duas nações: EUA e Rússia, ambas em alto mar. Na segunda temporada temos uma história um pouco mais interessante: um grupo de pessoas imunes à doença se unem, na crença de serem os "escolhidos por Deus" para limpar a Terra e começar tudo de novo - e para isso, os que não são imunes devem morrer. 

Gostei muito da primeira temporada, realmente não decepciona, mas a segunda pra mim foi bem mais interessante e com um nível de tensão ainda maior. 


Existem muitas reviravoltas na trama e uma boa dose de drama: não podia faltar, né? Tanto por parte do núcleo que está em terra firme, sejam sobreviventes ou pessoas infectadas, quando das pessoas dentro do navio, que abdicam de procurar por seus amigos e familiares para tentar completar a missão de descobrir a cura para o que eles chamam de "gripe vermelha". 


A série está fazendo um baita sucesso lá fora e não é à toa, é realmente uma produção envolvente e que consegue emocionar em seu lado mais humano - há cenas e personagens mais engraçados na série também, claro. Um dos pontos altos da trama também é mostrar até que ponto as pessoas chegam em situações extremas.


Enfim, indico The Last Ship para quem gosta de histórias sobre pandemias, contexto apocalíptico e uma boa dose de drama também. É uma ótima série que só tem a crescer - o season finale da segunda temporada é de tirar o fôlego e deixa inúmeras questões em aberto para a terceira temporada. Agora é só esperar, né? ;)

Quem quiser assistir online, pode fazê-lo nesse link aqui

E vocês, já conheciam essa série? Se interessaram ou não? Me contem nos comentários ^^

Pesquisa de Público


Ei gente! Sei que tenho estado um pouco ausente aqui do blog e peço desculpas a vocês, sei que é chato entrar num blog e não encontrar nada novo para ler - afinal de contas, sou leitora também e tenho um enorme apresso por muitos blogs - mas garanto que logo o ritmo de postagens volta ao normal.
Estou demorando mais a publicar aqui mas estou aproveitando também esse tempinho longe da blogosfera para criar conteúdo e pensar em algumas mudanças para o blog. Esse clima de fim de ano sempre surte em nós essa vontade de mudar um pouco as coisas, né? 
E para deixar o blog mais ao gosto de quem de fato importa - os leitores, é claro - decidi fazer uma pesquisa de público e conhecer melhor quem lê o CF - suas idades, regiões, preferências. É uma pesquisa de múltipla escolha e rápida de ser respondida, e agradeço muito a quem puder fazê-lo. Isso vai me ajudar a nortear a questão da frequência de posts e os conteúdos que vocês mais curtem ver por aqui. 

Para responder a pesquisa, é só clicar aqui. Muito obrigada a todos! <3

Filmes Assistidos Recentemente


Oi gente! Os gêneros dos filmes até que estão bem variados hoje - para quem sempre assiste drama na maior parte do tempo, até que estou saindo um pouco da zona de conforto. Mas não adianta, os filmes dramáticos são sempre os que mais me conquistam, hahaha. 

1. Thelma & Louise
(aventura, drama, policial)


Cansadas da vida monótona que levam, duas amigas, uma garçonete quarentona e uma jovem dona-de-casa resolvem deixar tudo para trás num fim de semana. Mas no caminho se envolvem em encrencas e acabam sendo perseguidas pela polícia.


Um filminho do início dos anos noventa já bem conhecido, achei Thelma & Louise bem divertido. Surpreendente como a história do filme é forte e triste e mesmo assim é contada de uma forma engraçada. Todas as mulheres deveriam assistir, porque acima de tudo é um filme sobre a libertação feminina de padrões e abusos que cerceiam a vida das mulheres - nos anos noventa e infelizmente ainda hoje. Tem atuações incríveis e participação do Brad Pitt - o que é sempre bom pra mim, já que adoro ele como ator. Para assistir online, clique aqui. Está disponível no catálogo do Netflix. 

2. La Luna
(drama)


Cantora americana de ópera viaja com seu filho adolescente Joe para uma longa turnê na Itália. Absorvida por seu trabalho, Caterina choca-se com a descoberta de que seu problemático e solitário filho está viciado em heroína. Seu desespero em ajudar a curar seu filho resulta numa relação incestuosa entre eles e, além disso, na possibilidade de um reencontro dele com seu pai verdadeiro, cuja existência ela sempre manteve em segredo.


Nossa, há quantos séculos eu queria ver esse filme e nunca encontrava - nem online nem em locadoras de filmes. Essa obra do Bertolucci foi beeem polêmica na época pela temática do incesto, que na verdade é bem sutil e dramática no contexto do filme. O filme é longo e bastante sensível, sem pretensão de explicar nada, só nos apresentando à confusão emocional de cada personagem. Causa uma certa perturbação em quem assiste, mas por outro lado é bem poético e bonito... Enfim, gostei. Para assistir online, clique aqui

3. Vanilla Sky
(fantasia, mistério, romance)


Em Nova York são narrados em flashback fatos angustiantes da vida de David Aames, um jovem empresário que é dono de um império editorial. David tem sua vida modificada quando conhece Sofia Serrano, uma bela jovem por quem se apaixona .Tal relacionamento desperta ciúmes em Julie Gianni, uma "amizade colorida" de Davis, que quer muito mais que mero envolvimento sexual com ele. Um dia, após sair da casa de Sofia, David encontra Julie, que usando o pretexto de querer conversar com ele o convence a entrar no carro dela. Em um ímpeto de loucura, e cega por se sentir preterida, ela lança o carro por cima de um viaduto. Ela não resiste ao impacto e morre. David sobrevive, mas fica com o rosto bem desfigurado e entra em coma, ficando neste estado por três semanas. Ao se ver David fica traumatizado e oferece qualquer quantia para reconstruírem seu rosto. Repentinamente realidade e fantasia se confundem de forma assustadora.


Há algum tempo eu assisti ao filme espanhol Abre los Ojos (com o título em português Preso na Escuridão), que inclusive, se tornou um dos meus filmes favoritos e é simplesmente fantástico (falei sobre ele aqui). Depois disso, descobri que havia um remake estadunidense dele - Vanilla Sky. Resolvi assistir, já com um pé atrás porque 1) detesto remakes e 2) é desnecessário fazer remake de uma obra com menos de cinco anos, como é o caso desse aqui. E dito e feito, né. Vanilla Sky seria um filme mediano caso fosse original - mas como remake de uma obra grandiosa, nem mediano ele consegue ser. A fotografia é bonita mas não salva os clichês hollywoodianos e a atuação do Tom Cruisie - particularmente não sou chegada nesse ator, e comparado ao do filme original, a atuação dele também fica bem abaixo da média. Enfim, para quem já assistiu Vanilla Sky, só posso recomendar que assistam Abre los Ojos - original e muito superior. Para quem já viu o espanhol, serve assistir Vanilla para comparar. Para assistir online, clique aqui. Está disponível no catálogo do Netflix. 

-

E vocês, viram algum filme bom essa semana? Me contem <3

OOTD: Camisa com Poás


Oi gente! :D Estava aguardando ansiosamente por essa camisa da She In desde que fiz o pedido no site - e não consigo mais tirá-la do corpo desde que chegou. Sério, acho que usei umas cinco vezes em uma semana rs. Adoro estampa de bolinhas e em peças pretas então, é a perfeição pra mim. 

Usei esse outfit no fim de semana, pra sair pra jantar. Tinha acordado com vontade de ser fofa, hahaha. Sabe quando você acorda com vontade de nascer de novo com vontade de vestir algo diferente do habitual? Pois então. Antigamente eu curtia muito a estética retrô sessentista e tentava me inspirar bastante, mas fui ficando cada vez mais ~trevosa e perdi um pouco dessa parte. E tem algo mais fofo - sem ser caricato ou cor-de-rosa demais - do que a estética retrô tradicional? <3 Por isso fiz essa combinação simples, mas amorzinho de short com cintura alta e camisa de poás. Como a fofura não é tanta assim, coturnos pra completar. E a bolsinha de coruja que há tempos não aparecia por aqui - combinar acessórios marrons é sempre difícil pra mim :c 









Camisa: She In | Short: SammyDress | Coturno: Vilela Boots | Bolsa: Lovely Shoes

Essa semana chegou a última comprinha que havia feito no aliexpress - esse colar que é um relógio "de bolso". Ele abre e é bem fofinho, apesar de não funcionar hahaha. O link dele é esse aqui

O esmalte é o Avelã da L'Apogée e o batom é uma misturinha do Azul da Hator (resenha aqui) com o Azul da Natura (resenha aqui). Ficou um lindo tom de azul escuro levemente cintilante, amo essa combinação. O batom azul foi uma ótima forma de não ficar caricato, com o short de cintura alta e o delineado gatinho, um batom vermelho tradicional deixaria um pouco óbvio demais. 

E vocês, o que acharam do post de hoje? Curtiram? Me contem nos comentários ^^

Resenha: Garota, Interrompida de Susanna Kaysen


Há bastante tempo eu vinha mantendo uma tag mensal em que fazia um breve resumo e dava minha opinião sobre os livros (as vezes dois, as vezes três ou até quatro) que li no mês. Ultimamente isso estava me incomodando um pouco, e estive sentindo falta das resenhas de livros que antigamente fazia aqui. Pois bem, decidi retornar com elas. Para iniciar novamente, escolhi este livro que li em novembro - Garota, Interrompida da escritora Susanna Kaysen. 

Esse é um livro autobiográfico com relatos acerca dos dois anos em que Susanna esteve internada num hospital psiquiátrico, do ano de 1967 até 1969. Ela foi diagnosticada com transtorno de personalidade borderline (ou personalidade limítrofe) e internada após tentar o suicídio ingerindo cinquenta aspirinas. 


Muita gente vai lembrar do filme homônimo inspirado pelo livro - inclusive, foi dele que surgiu meu interesse por essa leitura. O filme Garota, Interrompida está entre meus filmes favoritos, sou apaixonada pela atuação incrível da Winona Ryder e da Angelina Jolie (que inclusive ganhou Oscar por esse papel) e sei que muita gente não gosta, mas eu realmente não me importo de ler um livro depois de ter assistido a adaptação para o cinema. Muitos livros eu li depois de assistir o filme e isso nunca interferiu no meu julgamento ou nas preferências. 

Mas é necessário saber que o livro não se parece tanto com a adaptação quanto poderíamos imaginar a princípio. O filme foi bastante romantizado e muitos acontecimentos alterados para que a história fosse mais impactante. A leitura é mais monótona - mas nem por isso ruim. 

Algo bem legal deste livro é a diagramação, tudo é lindo e muito caprichado. O mais bacana é que no início (ou final) de vários capítulos há também os prontuários médicos de Susanna, onde podemos ler o que os médicos, psiquiatras e/ou enfermeiras escreveram a respeito dela, de seu comportamento no hospital e de sua doença. 


O livro é narrado em primeira pessoa, o que nos deixa mais próximos da autora. É como se realmente estivéssemos lendo um diário dela, onde seus dias tediosos no hospital são descritos, assim como suas amigas internas. Conhecemos não só a dor por de trás de Susanna, mas de outras meninas com idades próximas a dela que possuíam doenças diferentes e motivos diversos para serem internadas. 

A escrita da autora é bastante interessante e envolvente, os capítulos curtos e de fácil leitura tornam o livro fácil de ser lido com rapidez. Demorei cerca de oito dias em sua leitura, somente por estar no final do semestre e com muitos trabalhos e provas, porque podia ter sido em bem menos tempo. 

Os questionamentos de Susanna, para mim, foram um ponto muito forte da obra. Desde as oportunidades de crescimento na carreira para as mulheres na década de sessenta, passando pela eterna discussão de sanidade x loucura e para o conceito de promiscuidade aplicado às mulheres, claramente embasado por valores machistas. Algo muito interessante é que na ficha de "sintomas" de sua doença, a promiscuidade foi apontada como um deles, apenas por ela se relacionar paralelamente com dois homens.

"Com quantas garotas um rapaz de 17 anos teria de trepar para ser rotulado de “compulsivamente promíscuo”? Três? Não. É pouco. Seis? Duvido. Dez? Parece mais possível. Provavelmente entre quinze e vinte, no meu palpite. Isso se algum dia colocarem esse rótulo nos rapazes, coisa que, se não me falha a memória, jamais se fez. E as garotas de 17 anos? Com quantos rapazes teria de ser?"

Outra passagem do livro que me chamou muito a atenção foi essa abaixo, me fez refletir muito sobre ela: 

"Afinal, uma angústia dessa dimensão é um artigo de luxo. Para dispor de tempo para tanta autocomiseração, é preciso estar bem alimentado, bem vestido, ter uma boa casa."

Enfim, a leitura é densa, reflexiva e sensível. Excelente para todos que trabalharam ou trabalharão diretamente com pessoas, e uma leitura altamente recomendada para qualquer um que tenha interesse. Tem 190 páginas e absolutamente nenhuma chance de não lhe envolver logo nas primeiras. 

O filme também vale muito a pena ser assistido :) Aqui tem o link para assisti-lo online. Está disponível no catálogo do Netflix também. 

E vocês, já conheciam esse livro? Ficaram afim de ler? Me contem nos comentários ^^